• Larissa Shanti

Lapso do pensar

Atualizado: Fev 18

Faz um tempo em que o incomodo veio a se tornar parte dessa sociedade mundana. A sensação pesada das palavras entaladas na garganta. O olhar para as páginas em branco, de uma vida esquecida na corrida contra a sobrevivência e a necessidade de reconhecimento. Uma mente incoerente, nada mais que um lapso silencioso dos pensamentos enevoados. Um universo inteiro de ideais e sonhos presos ao limite da própria ignorância. A ignorância provinda do medo. O medo que limita. Limita à repetição da lastima. A ignorância da falta de reconhecimento da individualidade dentro do grupo. E o medo do sentimento de solidão, o sentimento inevitável em uma caminhada de auto reconhecimento. Porém o medo, esse que gélido se transforma no conforto, na falsa ilusão de segurança, impede-nos de conhecermos a nós mesmos. Trazendo consigo a sensação das palavras presas no peito. O grito silencioso por ajuda. A necessidade de deixar as lágrimas caírem por trás das máscaras criadas pela influencia de ideais sociais. Influencias que, por falta do reconhecimento da própria individualidade, acabamos por não notar, ou por não escolher. A mente cada vez mais confusa, limitada ao ideal de uma vida que não é dela, cria o medo. O medo da morte, o medo da falta de vida. O medo da queda, de não ter dinheiro suficiente, amigos verdadeiros, um trabalho seguro. O medo que não o permite amar, mas deseja ser amado. E a ignorância, sem saber quem somos, mantém o ciclo intacto. A falta de respeito na sociedade pela individualidade do outro cada vez mais forte por causa da falta de auto reconhecimento.



E na garganta as palavras que tanto o peito, em sentimentos singelos, suplica dizer. A opinião própria, esta que tanto dizemos conquistar, perdida em meio à influencias econômicas, sociais, politicas. Quando nada mais queríamos que falar um sentimento verdadeiro, expressar quem somos. Então vem a lastima, o sentimento de falta. A falta que acreditamos ser externa, enquanto desesperadamente tentamos conquistar aqueles ideais que não são verdadeiramente nossos. A falta do trabalho ideal, da renda ideal, do carro ideal, da família ideal. Quando a falta simplesmente vem de dentro. A falta de ser você, com o todo o potencial que você pode ter. A sociedade em meio a esse caos esqueceu que não há problema em ser feliz. Feliz por ser quem verdadeiramente é. Feliz pelos detalhes das conquistas internas diárias. Os detalhes da beleza que é fazer parte desse mundo, dessa sociedade humana. Essa sociedade que é capaz de criar a arte, de conversar entre si, de unir-se em comunhão, de ser mais que uma sociedade, ser uma tribo. De ser mais que uma influencia material, ser uma influencia nessa busca interna individual pela sua própria verdade. Não há problema e ter medo, mas saiba se ele é seu e saiba quem você é. Talvez esse seja o único jeito de nos tonarmos uma tribo.

8 visualizações

© Criado por Larissa Shanti

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Spotify
  • Preto Ícone Pinterest
  • Preto Ícone Deezer
  • Preto Ícone iTunes